quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Facebook ultrapassa Hi5

De acordo com uma notícia do Briefing, o Facebook ultrapassou pela primeira vez em Portugal, o número de page views do Hi5 no último mês.

Esta notícia é o resultado de um estudo GFK/Briefing, que revela ainda que o Facebook, ao contrário das restantes redes sociais, apresenta valores mais altos de adesão no intervalo entre os 25 e os 34 anos, enquanto as restantes têm maior sucesso na faixa entre os 15 e os 24.

Para as marcas que cada vez mais apostam nestes territórios, este é, sem dúvida, um estudo relevante para adequar as suas apostas de comunicação aos targets-alvo de cada um dos seus produtos e/ou serviços.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

O ano em revista

Chega a esta altura e os meios de comunicação social desatam a passar em revista os "acontecimentos do ano". Sendo maioritariamente consensuais os grandes temas, a selecção ou a forma de abordagem responde sempre aos critérios de quem faz a escolha.

No sábado, o Público, através de Helena Matos, fez a sua revista com as fotografias que marcaram 2009. Alguém que tivesse, imaginemos, acordado de um estado de coma iniciado um dia 1 de Janeiro e se dirigisse, nesse mesmo dia, a uma banca para comprar o jornal, daria graças a um qualquer Deus por não ter passado este ano, tal era o negativismo e a carga pessimista da escolha. Talvez seja reflexo de uma linha editorial que o jornal tem vindo a adoptar, com resultados bem visíveis.

Ao Público, e a todos os meios de comunicação, mais optimismo e boas notícias em 2010.

Aeroporto ao rubro (ou então apenas "contentinho")

Postal de Natal da Tap e da ANA.

A meu ver, as flash mobs nacionais pecam (quase) sempre pela selecção musical, muito repetida, e pela falta de "actores", que anula o efeito de contágio. Embora seja "mais do mesmo", não deixo de ficar surpreendido ao ver as empresas (cinzentas) apostar neste tipo de acções.



Sei que este post vem com uns dias de atraso, mas as festividades afastaram-me da tecnologia.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Guerilha viral. Literalmente!


Acção de guerrilha (Torke?) de suplementos alimentares. Aproveitar o momento (timing) é um dos segredos para ter sucesso, ou para levar uma valente tareia. Pelos vistos correu bem.

sábado, 12 de dezembro de 2009

O buraco 19 de Tiger Woods


Mais recente, ou última, a ver vamos, campanha de Tiger Woods para a Accenture, e que foi ontem retirada do site da consultora.

A razão pode bem ter sido o que Woods pretende fazer a seguir (What he will do next).

Em poucos dias, o número 1 do golfe e o mais bem pago desportista do mundo passou de exemplo a seguir a muito mau exemplo, na sequência do(s) escândalo(s) sexual(is) de Tiger Woods, que têm sido divulgados a conta-gotas, na sequência de um desastre de automóvel que envolveu o golfista. Confusos? Também eu.

Citando a Bloomberg "No. 1 golfer has seen his ranking among celebrity endorsers plunge to 24th from sixth since reports of his extramarital affairs surfaced last month. The publicity surrounding Woods may taint Accenture’s brand more than other sponsors because the company’s ads tie him so closely to its values".

Se na semana passada todos os patrocinadores garantiam a continuidade em Woods, hoje parece não ser bem assim. E, ou muito me engano, o mal é sair o primeiro.

Um dos problemas do endorsement é que assenta em pessoas e na sua notoriedade, e por muito que elas se identifiquem com as marcas, e vice-versa, nunca serão perfeitas. Aparentemente, como as marcas o são.

Poster Tagus

Havia os cromos, os g'anda cromos e, agora, os pósteres.

A nova campanha da Tagus mantém a linha irreverente, com uma forte presença no on-line, à semelhança desta outra. Claramente, uma aposta no público mais jovem, de uma marca que corre por fora. Pessoalmente, não gosto de cerveja Tagus, mas a campanha é tão boa que até ia uma.

Aqui fica uma amostra daquilo que eles procuram.


A campanha marca, também, o regresso de "este senhor", figura maior do vox pop nacional, surgida das Noites Marcianas, na SIC.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Pai Natal em risco


Não queria ser eu a dar esta notícia, mas temo bem que seja verdade. Espero que não haja crianças nem pessoas intelectualmente pouco ambiciosas a ler este blog, porque o que vem aí não é fácil.

O PAI NATAL TEM OS DIAS CONTADOS! (Leopoldina e Popota são as sras. que se seguem).

Sim, o nosso símbolo preferido do consumismo, pelo menos entre 15 de Novembro e 31 de Dezembro, está irremediavelmente ameaçado e os culpados são aqueles paninhos "grená", aparentemente inócuos, que, a pouco e pouco, começam a substituir os srs. de vermelho e outros apetrechos natalícios made in China que escalam as fachadas de prédios e moradias por este país fora.

Se pensavam que eram apenas sras de idade a tirar o pó aos naprons enganam-se. Faz tudo parte de uma campanha comercial, perdão, espiritual com um só objectivo: aniquilar o Pai Natal e substituí-lo pelo menino Jesus.

Cada um destes bonitos atoalhados está à venda nas lojas da especialidade, leia-se Paróquias, por apenas 15 euros e há inclusive um concurso que premeia a melhor fotografia tirada a um destes estandartes, imagine-se, com 12 garrafas de espumante, à boa maneira cristã.

Estandartes de Natal 2009”, numa varanda perto de si!

Para quem não se lembra, esta já é uma questão antiga.

Centenário custa 99 500 euros


Anda por aí uma notícia a circular de que o governo português pagou ao atelier do senhor Cayatte uma quantia obscena de euros para fazer o site comemorativo do centenário da república.

Diga-se de passagem que o trabalho de design, programação, desenvolvimento, implementação deste tipo de sites, costuma ser caro, tirando o facto de que este é feito em Drupal (aplicação opensource ao alcance de todos). E, surpresa das surpresas, o layout do mesmo, não é mais que uma adaptação de um layout padrão do dito opensource, apenas com uma ligeira personalização de cor.

Uns a contar tostões e outros com o eurotachões, er.. ajustes directos deste gabarito.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Olhá qui coisa máis linda!


E que bonito é ver a blogosfera toda toda a apoiar-nos!

No Facebook, a movimentação tem sido enorme, com o apoio do Rodrigo Saraiva e do João Villalobos, grande monstro dos blogues! O Rui Calafate e o Renato Póvoas já postaram, também, o seu apoio!!


Agora só falta mesmo ganharmos!

Update:

A blogosfera continua a vibrar e o apoio está no ar (desculpem a rima fácil). Obrigado pelo apoio do Telmo Carrapa - bem-vindo -, da Carla Bulhões, extensível, digo eu, à equipa do Lugares Mesmo Comuns, e do João Mateus, cujo blog ainda não conhecia. Thank's also to Madame.

E acho que não fica nenhum agradecimento por fazer.

JC

Os verdadeiros buzzofias são...


Chegou a hora de terminar o tabu. Estamos fartos de estar no anonimato e vamos sair do armário, doa a quem doer.

Os meus colegas que me perdoem a ousadia, mas chegou o momento.

Chegou a hora de revelar quem são os verdadeiros buzzofias.

Não procurem mais e vejam aqui TODA A VERDADE!

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Editorial amigo do Ambiente


Este editorial foi publicado ontem em 56 jornais de 44 países, em 20 línguas, numa acção de comunicação global inédita. Em Portugal pode ser lido no jornal Público.

O objectivo foi, através dos media, pressionar "quem manda", no mesmo dia e com a mesma mensagem, para que definam metas concretas em Copenhaga.

Our own fun theory


"Não perguntes o que é que o teu blog favorito - ou aquele por onde passas os olhos quando não tens mais nada que fazer - pode fazer por ti, pergunta antes o que é que tu podes fazer pelo teu blog."

E a resposta é votar.

Não nos Super Bock Super Blogs, por enquanto, mas no prémio atribuído pela VW na acção de comunicação que vai arrebatar tudo o que são prémios no próximo ano: "The Fun Theory Awards".

A nossa proposta, que temos a certeza seria capaz de mudar o comportamento da malta que insiste em atirar garrafas e copos para o chão antes, durante e depois da farra; é um caixote do lixo que "passa" música ou uma jukebox que trabalha a copos de plástico e garrafas de vidro. A ideia até podia não ser brilhante - que o é - mas somos os representantes nacionais no concurso e isso merece respeito - ou pena, o que vier primeiro.

Assim sendo, para ganhar precisamos da vossa ajuda. Votar aqui e fazer muito lobbying (leia-se convencer mães, pais, filhos e avós, amantes e namorados, cães e gatos, a votar) pode ser o suficiente. O vídeo está também disponível no Youtube.

As participações fecham dia 15.

Comentários à ideia, na caixinha abaixo.

Tou a ver se pega


Tentar não custa. Na pior das hipóteses ouvimos "não" como resposta, na melhor conseguimos o objectivo.

Isto vem a propósito deste email original que recebemos na nossa caixa do correio:

"Olá, boa tarde :)

Antes de mais, este mail é a propósito de um post feito pelo/a JC:
http://buzzofias.blogspot.com/2009/05/tou-nostalgico.html.

Basicamente criámos uma página de fãs no Facebook dos nosso tão adorados TOU:
http://www.facebook.com/pages/TOU-DE-VOLTA/186899541633?ref=mf.

E quem somos nós?

Bom.. Basicamente, somos um grupo de 4 alunos do Mestrado em Publicidade e Marketing da ESCS, que está a tentar tirar 20 na cadeira de Publicidade Online. Neste caso, o grupo que obtiver mais fãs de uma página, recebe esse "presente". Escusado será dizer qual é a nossa página.. E que ficaríamos honrados se fossem nossos fãs (e, já agora, um post no Buzzófias?) (ui, mas isto não entra na categoria de posts pagos?) (uuuuhhh posts pagos é que não, posts pagos são tabu!!) (hmmm.. not). :D

Bom, seja de que forma for, agradecemos a disponibilidade.

E JC, sempre podes matar algumas saudades. :)

Muito obrigada.

Com os melhores cumprimentos,
DC (se vocês podem encriptar, também posso?) ^^

--
Tou...de Volta!
Cromo da Bollycao
Pagina Facebook:
http://www.facebook.com/pages/TOU-DE-VOLTA/186899541633?ref=mf"

Aqui fica o nosso contributo. Já somos fãs e eis o post. Dois em um.

Parabéns pela originalidade, pela forma e pelo conteúdo.

Advertising killed MySpace?


Artigo interessante na edição deste fim-de-semana do FT sobre o MySpace, um dos fenómenos da web 2.0..

Uma das razões apontadas para a queda daquele que parecia ser the next big thing da Internet terá sido o modelo adoptado, demasiado "poluído" pela publicidade, afectando, inclusive, directamente, a experiência do utilizador.

A comunidade, a tribo, pela qual Murdoch pagou $580 milhões, terá sentido que aquele já não era o seu espaço e desertou para outras paragens como o Facebook ou o Twitter.

O resultado poderá ser um regresso às origens do MySpace, mais focado nos conteúdos de TV, filmes e música, ou seja, “the place where content gets socialised”. A ver vamos se ainda vai a tempo.

Pessoalmente, julgo que a web 2.0. vive muito destes fenómenos explosivos, de grandes sucessos que se vão apagando à medida que o fogo esmorece.

As comunidades que os (nos) "alimentam" são mais voláteis, cansam-se mais depressa e precisam de mais incentivos. Aos primeiros sinais de arrefecimento trocam de parceiro. Todos querem experimentar, mas nem todos vivem a experiência.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Uma estratégia de video game para Portugal


"Playing Portugal is easy. It really is. You are safe, you have plenty of time to colonize the new world before others even learn that it exists. You are meant to become a great power, you are meant to rule the world. Just start early and don't break anything. That's why Portugal is considered a country for new players."

- Encontrado na Wiki do "Europa Universalis", jogo de estratégia online.




Na wiki deste jogo de estratégia, encontrarão todo um tratado sobre como governar o país, escrito pelos criadores e jogadores do mesmo. Pleno de pérolas de conhecimento, a aproveitar por todos os gestores, comunicadores e habitantes deste belo país. Um país para newbies, portanto.

Overview geral: " We have 6 provinces on the old continent. Three of them produce fish, the other three wine. Our diet is not very diversified but very healthy... Those with wine earn for themselves. Those with fish don't. It is tempting to give half of the country to Castille right on the beginning, isn't it? Well, we don't do that. We need every single ducat we can earn to be able to build foundations for our future mighty and unbeatable colonial empire."

Sobre as Regiões autónomas: "Madeira is fully developed and produces sugar. It earns for our whole nation. We like Madeira and want more colonies like it. The other province, Azores, produces fish. This means low profits and this province seems to be more a trouble than it's worth. Not true! The Azores are one of Portugal's biggest assets. Most European countries would pay a lot to have such an island. Why? Because it is a great naval base from which all our exploration and colonization can be launched; this is where we will station our fleets and our main base of operations on the northern Atlantic. This is our future main military base, where we will station troops and ships ready to intervene anywhere our business is endangered."

Sobre Lisboa: " Another move on the map we can make early is deciding in which trading center our merchants will work. The obvious choice, our mighty capital, Lisboa, is also a stupid choice. It's poor and nobody invests his precious merchants there."

Sobre Sócrates?: " The next screen shows our king. He's not a genius, this one we have to admit. But he isn't also a total disaster. His decent administration skill is everything we need at the moment."

E o meu ensinamento preferido para Portugal segundo a Wiki do jogo: "Changing national ideas results in a stability loss, so it’s best to make your decision early and stick to it"

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Il cavaliere rock star

Depois de José Sócrates ser distinguido com o prémio Sexy Platina do Correio da Manhã, agora é a vez de Silvio Berlusconi receber o prémio de Rock Star do ano da revista Rolling Stone italiana. Ao que parece, a escolha do primeiro-ministro italiano foi unânime na redacção, pelo comportamento digno de estrela de rock ao longo do último ano - há quem diga que também podia ser um lifetime achievement.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

From Consumers to Coproducers

O título deste post foi o tema de abertura do 2º dia do Congresso das Comunicações 09, que decorreu em Lisboa, esta quarta e quinta-feira. O Buzzófias teve acesso privilegiado a este evento e, sem dúvida, que este foi o momento mais interessante dos dois dias de Congresso. O painel contou com Richard Allan (Facebook Europa), Brian Levy (HP), a estrela proveniente da Web 2.0. Ana Free e o irreverente Pedro Bidarra (BBDO). O exemplo do sucesso da Ana Free foi o ponto de partida.

A Web 2.0. transformou, sem sombra de dúvidas, o papel dos indivíduos na sociedade. Muitos foram os exemplos dados pelos oradores, de como de meros consumidores, os cidadãos passaram a coprodutores de eventos, produtos, movimentos, etc.

Ana Free é o paradigma dessa transformação. Gravando um conjunto de músicas em vídeo e publicando-os no Youtube e Myspace, tornou-se um fenómeno de sucesso em Portugal e Inglaterra, sem o apoio de qualquer editora.

A Web 2.0 e os social media (redes sociais) podem transformar qualquer um num caso de sucesso e podem ser a plataforma ideal para as marcas comunicarem de uma forma completamente diferente dos formatos tradicionais. Mais próximo, mais emotivo, desde que de forma ponderada, porque caso contrário, como em qualquer relação, acabará por se esgotar rapidamente.

Destaque ainda para a intervenção do Pedro Bidarra. Em breve, todos iremos ouvir falar da proposta completamente louca de fusão entre Portugal e Brasil como uma só nação. O convite à participação de todos está para breve.

Deste último dia de congresso resultou ainda uma ideia-chave. "We are what we share". Este é o paradigma da sociedade web 2.0. As palavras são de Charles Leadbeater, autor do livro We Think, e orador convidado do Congresso. Segundo o autor, o vídeo de 4 minutos da sua autoria, que podem ver em baixo, resume na perfeição o conteúdo do livro e pode ser suficiente, de acordo com o autor, para poderem dizer que leram o livro, mesmo que não o tenham feito.

Aqui fica o vídeo. Fica água na boca para ler o livro.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

The social media guru



Forneço desde já os meus serviços como social media guro. Tenho blog, twitter, facebú, hi5, myspace e paredes da cidade para divulgar em pleno a mensagem que desejar. Obrigadux.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Natal sexy

O espírito natalício já chegou às nossas televisões. Chegou e de uma forma, digamos, sexy (in a very kinky way).

O apelo ao consumo dos mais novos surge nas formas de jovens "jeitosas", envergando vestes arrojadas, que se insinuam ao som de ritmos quentes (uns mais quentes do que outros).

Esqueci-me de referir que as jovens são uma avestruz e uma hipopótamo, chamam-se Leopoldina e Popota, e são estrelas animadas do imaginário retalhista nacional, respectivamente, mascotes do Continente e do Modelo.





Espero bem que o Jumbo não se lembre, também, de colocar o seu elefante em dieta, o vista, ou dispa, com roupas justas, e o coloque a dançar o próximo hit de Verão para ver se aumenta as vendas, a bem da sanidade das gerações futuras!

Update: Bruno Nogueira resume tudo isto, e com graça. Ouvir aqui.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Buzzófias no briefing... outra vez e, desta vez, bem!


Depois de uma primeira tentativa falhada, sondámos novamente o mercado. Contactámos o presidente da APECOM que se disponibilizou para nos ajudar a comunicar correctamente o blog. Foi um teaser, a primeira foto de grupo - faltam alguns elementos - e o resultado saiu ontem, no Briefing - mães e avós solicitam desde já o envio de alguns exemplares para memória futura.

No mercado da comunicação, por vezes, tão sério e cinzento, é de salutar o desportivismo e sentido de humor de duas pessoas / referências como Salvador da Cunha e Luís Paixão Martins, que compreenderam bem o teor deste nosso humilde projecto. É habitual ver esta capacidade, de nos rirmos de nós mesmos, na Publicidade - e até é bem visto -, é menos comum na Comunicação e RP.

Outro ponto a valorizar é que foi possível escrever Luís Paixão Martins e Salvador da Cunha na mesma frase, sem que o post tivesse entrado em conflito.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Associação de Ajuda ao Homem-lixa (e à mulher peluda)

Acção de guerrilha da Associação Ajuda ao Homem-lixa, no jogo Portugal - Bósnia, sábado no estádio da Luz, palco para gente de barba rija.



Ficaram interessados, vejam o documentário sobre esta causa apoiada, ou melhor, criada pela Gillette. Facebook aqui.



PS: Depois de ver isto não podia deixar de escrever sobre esta acção. Vídeo não aconselhável a pessoas facilmente impressionáveis.

Actualização: Será esta mais uma manobra de guerrilha? Estes tipos da Gillette são mesmo bons!

A special blog


O Buzzófias está em condições de avançar com o nome do novo blog de Rui Calafate. Está em condições, mas não avança... para já.

Dizemos apenas que o nome será à imagem do autor: disruptivo.

Depois de, há umas semanas, apresentar o brand da agência de comunicação que lidera - a Special One - segue-se o blog onde, nos próximos dias, retomará a seu espaço de opinião. Será, certamente, um incontornável da blogosfera nacional.

Ao Rui, bons posts.

Tea buzz party


Primeiro encontro nacional Buzzófias. Conversas criativas, alguns disparates, com ementa típica de gente viril: chá (cor de rosa) e scones.

Outros se seguirão.

PS: O product placement da Mimosa e da Casa de Mateus é uma borla da casa. Não têm de quê.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

‘Agora não dá. Tou em Reunião’

Óptima reportagem de Rui Oliveira Marques sobre os Magalhães (descobridor e não os laptop) da criatividade nacional.

Referência especial ao André e à Paula, que quiseram ver, e viram, mais além.

Notícia a Metro

Capa do jornal gratuito Metro de dia 11 de Novembro.

Grande destaque para a ausência de Ronaldo (Cristiano) na selecção no embate contra a Bósnia.

Fotografia de Ronaldo (O Fenómeno) no Real Madrid.

Plantar 1000 árvores num dia!


Iniciativa muito interessante, que junta pessoas para plantar árvores. Não uma nem duas, mas 1000, em apenas algumas horas.

E apenas porque sim. Porque é possível sair da nossa zona de conforto, de exigir sempre, de nos envolvermos e de deixarmos de esperar que sejam sempre os outros a fazer por nós.

É em Lisboa, dia 21 de Novembro e as inscrições, limitadas, são aqui.

Pás à obra!

...e já agora limpamos isto!


Por falar em mobilização de voluntários para concretização de objectivos específicos, este é mais um exemplo, que vale a pena rever (ou conhecer), até porque vai ter réplica em Portugal.

Ficará para a história como um case study. Foi a mais cara campanha alguma vez feita na Estónia, sem gastar um Euro. Teve o endorsment de dezenas de figuras públicas, políticos, mobilizou muitos anónimos, ambientalistas e nacionalistas, para limpar o país num dia. Mas não fizeram apenas isso. Sem querer, ajudaram a promover o destino Estónia, em todo o mundo.

E bastaram 50 000 voluntários para o conseguir, qualquer coisa como 4% da população da Estónia.



A 20 de Março de 2010 é a vez de Portugal. Para repetir o feito, seriam necessários cerca de 400 000 voluntários (4%), ou talvez um pouco menos. Julgo que até podia ser fácil porque se há coisa que o português gosta é de recordes (isto dava para o Guiness, juntando uma patuscada no final). Tem é a parte do trabalho, o que pode desajudar à mobilização.

Por enquanto, já somos 14 422 and couting...

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Influência


"António Guterres está em 64º lugar no ranking da revista "Forbes" relativo às personalidade mais poderosas em todo o mundo. Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, não surge na listagem, que elenca 67 poderosos e que é a primeira do género feita pela revista norte-americana."

Estes srs. e sras. não precisam de apregoar a sua influência. Exercem-na no dia-a-dia. Infelizmente, nem todos no mesmo sentido ou da melhor maneira. Mas exercem.

Ver a restante lista aqui.

HIVisible



Publicidade institucional de prevenção do HIV que recebeu hoje distinção internacional.

Argumento e a realização do spot são assinados pela Monomito Argumentistas, os mesmos que fizeram este:


Será esta a imprensa do futuro? ou o futuro da imprensa?


"A revista (Esquire) recorreu a esta tecnologia (Augmented Reality) para fazer com que os leitores não só pudessem ler como interagissem com os conteúdos da revista. E a revista interage com eles também. Basta ter um computador com "webcam" e descarregar o software adequado, disponível no site da revista".

É mais ou menos isto...


Interessante. Na sexta-feira passada ouvi Pedro Norton, do Grupo Impresa, falar sobre o futuro dos media. Não me recordo de ter ouvido nenhuma referência sobre revistas que interagem com os leitores.

Por coincidência, no mesmo painel, António Câmara, YDreams, estava a falar sobre realidade aumentada... não propriamente associada aos media.

Esta aposta da Esquire, para mim, faz muito sentido, porque os produtos, onde se incluem os meios de comunicação, são cada vez mais customizados. A interacção entre leitores e meios já acontece, sobretudo na Internet. Talvez amanhã chegue ao papel.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Festival do Cano 2009

Foram entregues este sábado os prémios Cano 2009. Não faço ideia qual foi o resultado final, porque não estive lá, mas sei que o grande vencedor foi este anúncio:


Considero o anúncio genial. Não percebo o que tem de mal.

A meu ver, que não sou especialista em publicidade, ou em coisa alguma, havia, pelo menos, duas formas de trabalhar o tema: pelas características técnicas ou pelo humor. Acho a escolha, pelo produto de que se trata, brilhante!

Faz sentido para o target? Para profissionais da construção duvido, mas também, se fosse esse o objectivo não era a TV o canal adequado. Para público em geral o anúncio fica claramente retido, mas duvido que, por si só, motive a compra.

Aumentou, certamente, a notoriedade da marca, que podia ser apenas o objectivo.

Não acho que seja má publicidade.

Este anúncio foi também referido nos nossos prémios, o que, provavelmente, terá mais razões de ser.

Para conhecer o restantes vencedores, espreitem aqui. Pode ser que eles apareçam.

Bom PR para o i


"It would be hard to find a less promising country in which to start a newspaper than Portugal. Not only are readers defecting to the Internet, as they are elsewhere, but relatively few people ever picked up a paper to begin with".

A frase é do jornalista do The New York Times, sobre o jornal i (diminutivo para informação??), antes de elogiar o timinig, o formato e conteúdo do jornal (retenho o sarcasmo sobre o país). Bom PR para um bom jornal.

Já antes o i tinha sido merecedor de reconhecimento e distinções, o que demonstra que está no bom caminho. Assim as vendas, e as formas de financiamento, lho permitam prossegui-lo.

sábado, 7 de novembro de 2009

O melhor emprego do Mundo (mesmo)

Austrália? Limpar corais e aturar peixinhos? Arriscar uma insolação assim sem mais nem menos? Leões em Cannes? Nada disso. Este sim é o melhor emprego do Mundo.


Exemplo de como uma coisa tão enfadonha e cinzenta como um site de emprego, se torna viral.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Emoção Argentina

Hoje, como referi ontem, estive na conferência que abriu a exposição Cannes Lions Review. Sobre isso falarei depois.

Partilho apenas um anúncio, visto por lá, que consegue aquilo que toda a publicidade almeja: emociona.


Pessoalmente, talvez terminaria o anúncio com a frase com que Maradona agradeceu aos jornalistas o apoio durante o apuramento, mas mesmo assim não está nada mal.

Espero que a Sagres se inspire, que bem precisamos...

O melhor blog de comunicação!


Há poucos blogs de comunicação em Portugal, o fenómeno é relativamente recente, ainda somos pouco selectivos, lê-mo-nos uns aos outros, e por isso é estranho ver a mesma informação postada uma e outra vez. Mas enfim, são coisa que acontecem.

Posto isto, recebemos do Bruno Amaral a informação sobre as candidaturas para os prémios Euprera (sinceramente achámos que era a comunicar-nos a vitória, depois é que nos apercebemos da realidade), para os melhores blogs de comunicação... de estudantes e investigadores da área?!? Só ou especialmente? É que, por cá, tenho dúvidas da existência dos segundos e se existirem devem ser uma seca. Vejam o nosso exemplo. Todos juntos temos quase um mestrado, e não deixamos de ter (pouco) interesse.

Ainda assim, se há estudantes que nos lêem (só aceitamos emails de estudantes que já sabem ler), e se for isso que é preciso, estamos dispostos a dar-vos voz! Enviem um email para buzzofias@gmail.com com a frase "Quero ir a Gent e não tenho pais ricos", com a vossa sugestão de post (a comunicação não é apenas escrita). O melhor, se houver mais de dois, o que duvido, é publicado - mas fica na mesma em Lisboa.

Voltando aos Euprera, os três premiados, além do reconhecimento e da viagem até Gent (com despesas pagas até 400 euros, o que dá apenas para ir), recebem 250 Euros, o que já paga praí 1/2 propina ou uma jantarada aqui à malta.

Como vêem é tudo fraquinho, por isso nem vale a pena perder tempo a ver o site.

Inspirem-nos, mas façam-no rápido!


Jovem! Tens alguma coisa a dizer ao Mundo? Então este evento não é para ti. Se for só para uma centena de pessoas, então nesse caso podes continuar a ler.

Os eventos IGNITE são um espaço de partilha de ideias, empreendedorismo, de cenas giras, onde cada convidado faz uma espécie de apresentação lusco-fusco - 5 minutos, 20 slides. Em Outubro foi o primeiro, em Novembro será o segundo e em Dezembro o quarto (OK, o terceiro).

O espírito é: "inspirem-nos, mas façam-no rápido" (E não é este o segredo do mercado actual?)

Para se candidatarem a speakers basta enviar um e-mail para igniteportugal@gmail.com e esperar sentado. Sim, porque nós aceitamos o desafio (acho eu...) e vamos ofuscar aquilo. Nada como elevar as expectativas...

Para ver como correu o primeiro, espreitem aqui.

Disfunção pública

Isto é bom, ou mau, demais! Aposto que vai directamente para os tops do Youtube.


A minha sugestão é que mantenham o vínculo, porque na música não vingam.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Criatividade a Metro

"O lançamento de uma cerveja foi um grande sucesso graças a um saco de papel".

Sabiam? Pois eu também não.

Mas é para descobrir esta e outras pérolas, que, até dia 9 de Novembro, o melhor da publicidade vai estar exposto do Terreio do Paço, ou melhor, debaixo dele, no Metro.

Amanhã é só para convidados. Mas não se preocupem que eu depois conto.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Outra vez o croquete...

Não há muita literatura made in Portugal sobre o tema e, por isso, é de louvar este lançamento. Ainda para mais de um jovem autor.

Permitam-me o reparo, mas para obra de RP foi mal comunicado. Sei, por exemplo, de grandes opinon leaders do sector, 10 para ser exacto, que, ao momento, não recebemos, perdão, não receberam um exemplar. Está mal!

A apresentação, sem croquete, é hoje às 19h, no Op Art Café. A ver se depois corrigem o erro.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

A hora do Lobo


Ontem desligou o microfone, pela última vez, uma das mais emblemáticas vozes da rádio dos últimos 40 anos. Enorme comunicador, sempre independente, referência incontornável para quem faz rádio, António Sérgio foi também produtor, mas foi sobretudo divulgador de música.

A rádio fica muito mais pobre, a SIC perde, pela segunda vez em poucos anos, a sua "voz". Nós agradecemos-lhe.

A não perder, hoje, a última edição de "Viriato 25", o programa que mantinha da Radar.

E agora os compromissos comerciais.

domingo, 1 de novembro de 2009

Para Bárbara Reis


Depois de dar esta dica a José Manuel Fernandes, arrisco sugerir este clássico da auto-ajuda para Bárbara Reis. A julgar pelo editorial de hoje, a nova directora do Público (o tal jornal que vem com o Cargas e Transportes) está familiarizada com o trabalho de Dale Carnegie. "Um novo começo" é um bom começo. Boa sorte.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

A importância do nome


Nota prévia: Acho que a iniciativa é uma boa iniciativa, e, independentemente das motivações, pode contribuir para um bom fim: tirar carros particulares de uma cidade como Lisboa, tornando-a menos congestionada e poluida.

Posto isto.

Al Ries dixit: The first in the market is the first in the mind!

Se não foi isto foi parecido, mas a ideia do sr. é que o primeiro/a, marca ou produto, a chegar ao mercado, a marcar a sua presença, é o primeiro a ficar na mente do consumidor. O resto? o resto é paisagem, são cópias do original. Há excepções, mas que apenas confirmam a regra e normalmente envolvem Davides contra Golias', como neste caso.

A iniciativa da Carris, Menos um Carro, foi apresentada esta semana. Bem comunicada - não comento o que já foi comentado - gerou notícias, duplicaram-se fãs, amigos, seguidores.

Apenas um detalhe, talvez pouco importante: o nome já existe. Não foi registado, porque é um blog de amigos, mas já existe.

Mais. Com cerca de 300 visitas por dia, com prémios ganhos na área do ambiente, com inúmeros links e referências (façam uma pesquisa no Google, p.e.), o http://menos1carro.blogs.sapo.pt/ não é propriamente anónimo ou desconhecido nesta área (ambiente e mobilidade). Foi criado em Novembro de 2006 e por isso, não se pode admitir que o consultor ou a agência que fizeram a sugestão, não soubessem da sua existência. Bastava googlar...

O mínimo que poderiam fazer era contactar o blog, propor algo, respeitá-lo e aos seus autores, ou criar um nome diferente. Antes ou agora.

Sei que tudo isto são detalhes, mas o mundo é demasiado pequeno e o digital é ainda menor.

Comunicação 2.0 sofre dos vícios do 1.0

As consultoras de comunicação gostam de acentuar a palavra "consultoria" nos serviços por elas prestados. Porque, naturalmente, o fee por hora associado à palavra "consultor" é superior ao associado à palavra "assessor". Para se revestirem da autoridade associada à actividade da consultoria de negócio, rodeiam-se também de um léxico paralelo de forma a gerar um certo elãn de knowledge... e assim nasce o abuso dos termos "reputação", "influência", "integrado", entre outros.

O novo termo usado para vender serviços para além da assessoria de imprensa é "digital". Porque é fresco, porque o mercado para lá anda virado, porque se crê que os custos associados são menores, porque o twitter, porque o facebook, porque o ROI et al. Eu por lá ando, como os outros. A partilhar conteúdo que gosto e que acho que faz sentido junto das pessoas com quem estou conectado.

Mas. Mas a transição para o digital não pode ser feita de forma leviana, ao aplicar exactamente o mesmo conteúdo e mensagem transmitida no offline para uma plataforma onde as regras são, de facto, diferentes. Porque senão, os senhores consultores de comunicação estarão também a replicar os seus vícios de trabalho de que agora tanto fogem, tornando-se em "assessores de imprensa digitais" em vez de "consultores de comunicação estratégica".

Digo isto porque sofro de um mal no meu perfil do facebook. Basicamente, 80% dos requests que me foram dirigidos nas últimas duas semanas provêm de fontes (pouco) sofisticadas de informação. Assim que os "requests" e as "suggestions" do Facebook se tornaram rapidamente no "Press Release 2.0". Com a agravante de que a informação veiculada é directa e portanto nem sequer um bocadinho filtrada por um curador (vide jornalista estagiário), aumentada pelo efeito spam que isso provoca na minha caixa de e-mail e revelando por completo a identidade das pessoas que veiculam essa informação (os consultores). Que, de resto, me enviam conteúdo sobre inaugurações de filmes (que se realizam em distritos onde eu não moro), movimentos e causas (que não me dizem nada) festas (em londres ou em São Paulo), entre outras informações que nada têm a ver com o meu perfil.

É certo que a interactividade do conteúdo partilhado nas redes sociais permite aprofundar as mecânicas do press release. Há links, há quizzes, há eventos e outras brincadeiras a explorar.

Mas. Mas isto tem de ir lá de outra forma. Senão, dentro em breve, arriscam-se a que haja outras pessoas como eu - sensíveis e com a mania que sabem - a criar grupos tipo "I hate PR professionals on Facebook". Ou "I hate when (inserir marca odiada aqui) spams me on facebook". E com este tipo de trabalho, estes profissionais deixam de ser consultores e passam a ser asessores outra vez. Digitais, mas assessores.

A resolução deste problema poderia passar pela criação de ferramentas próprias para profissionais de mark&com nestas redes. Autenticando-os, identificando-os, permitindo o envio segmentado de informação para os utilizadores.

Não sei.

Mas. Mas qualquer dia um cliente irá pedir a uma qualquer empresa de "consultoria de comunicação" "quanto custa para enviar um press release pelo facebook? E quantos friends é que a vossa empresa tem mesmo?".

O acidente da Carris

Há alguns meses, a Galp Energia lançava um site de carpooling, o Energia Positiva, com bastante pompa e com um anúncio televiso de alto gabarito. O site, no entanto, deixava muito a desejar. O investimento parecia ter sido maior no offline que no online; no anúncio que no serviço em si.

Ainda que numa escala diferente, é agora a vez da Carris cometer o mesmo erro. O Movimento Menos Um Carro é uma campanha de sensibilização para a utilização de transportes públicos, apresentando-se na imprensa e internet (site e redes sociais). A propósito do site, descrevem-no como um "ponto de encontro online onde pode aceder a toda a informação no sentido de conhecer o porquê da urgência de uma mudança"; um site que, até ao momento, inclui notícias, alguns testemunhos e um questionário para calcular o Índice de Mobilidade Sustentável.

A pouca atenção à comunicação online salta à vista com outro detalhes. Para responder ao questionário, é necessário um registo (primeiro erro); completado este passo, recebe-se um email com os nosso dados proveniente do endereço menosumcarro@gmail.com - qual empresa de vão de escada, nem usam o próprio domínio para um endereço de email. A integração com redes sociais é, também, apenas fogo de vista. Terminado o questionário, somos convidados a partilhar o resultado no Facebook - mas a única coisa que é partilhada é, literalmente, a palavra "Resultado" e um endereço para o site que mostrará um erro e pedirá para completar o questionário.

Por esta altura já devia ser claro: não basta um link para o Twitter e Facebook para vingar nas redes sociais.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Quero explorar! Posso?

Segundo o M&P, o Carga de Trabalhos vai passar a "rejeitar todos os anúncios a estágios não-remunerados ou estágios com “ajudas de custo” ", deixando assim de compactuar com uma situação "ilegal". É de louvar a iniciativa, independentemente das razões.

Será o fim do "Quero explorar! Posso?", do "Procura-se cérebro jovem e fresquinho para ser esmiuçado a troco de nada!", do "Oferecemos oportunidade de integração em ambiente jovem e descontraído, por tua conta e risco".

Em Portugal nem sempre (ou raramente) se valoriza o talento ou o trabalho dos jovens, licenciados ou não. Prefere-se "oferecer" a formação, a integração a troco de ideias, de trocos, da oportunidade única de realizar acções menos válidas e perfeitamente imbecis. Os salários, quando os há, são fracos como o são, muitas vezes, os mais bem pagos. Como toda a gente, que não tem berço "cunhado" começa por algum lado, já vai sendo o momento de pensar a sério esta questão.

50 People, One Question

Fifty People, One Question: Brooklyn from Fifty People, One Question on Vimeo.



A ideia é muito simples: uma câmara de filmar, uma perguntar, todas as respostas possíveis. Foi o que fizeram os responsáveis do projecto 50 people, one question, que abordaram pessoas na rua e lhes fizeram uma pergunta. "Where would you wish to wake up tomorrow?"

Simples, não é? É.

As boas são assim. Simples.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Como moscas e mel...

Será este o cúmulo dos "novos meios" para publicidade?...

Durante a Feira do Livro de Frankfurt, a "Jung von Matt/Neckar" tinha como desafio dar a conhecer e atrair visitantes ao stand da "Eichborn": uma nova editora , que por acaso, usa como "símbolo"... uma mosca...

Conseguem imaginar o que fizeram?... Pois... Não chegavam lá pois não?... É natural, apenas natural... Algures entre o asqueroso e o genial, fez-se história...




sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Outros festivais



Porque nem sempre os mais irritantes são os piores. Nem os piores os mais irritantes.

Dia 7 de Novembro Festival do Cano09.

Votação: Os anúncios portugueses mais irritantes!

Ora aqui está uma notícia que nos agrada, que apoiamos, e pela qual estamos dispostos a lutar para que Portugal seja incluído no ranking. Que tal eleger os anúncios portugueses mais irritantes do ano?

Iniciámos o tema há uns posts atrás, com este e este exemplos, e retomamo-lo para que nos juntemos à votação.

Deixamos mais umas sugestões, desconhecendo se estão disponíveis na Internet, mas que seguramente irritam muito boa gente:

- TV: Formas Luso com Telma Monteiro
- TV: Novo do Pingo Doce
- TV: Millenniumbcp com Bárbara Guimarães, Jorge Gabriel e Ricardo Pereira
- Rádio: Totvs, com "v"
- Rádio: Novos da Staples
- Imprensa: Anúncios de página inteira a aparelhos auditivos (mas o target ouve mal ou vê mal?)

Deixem as vossas sugestões na caixa de comentários ou enviando-nos um tweet @buzzofias com a hashtag #esteanuncioirrita. Podem ainda deixar mensagem em www.facebook.com/buzzofias

Para sugestões internacionais @MarketingUK com hashtag #crapads.

Sentem-se irritados? A culpa é da pub!
A votação termina dia 9 de Novembro.

Windows Zeven

A Microsoft lançou esta semana o Windows 7.

Numa acção de RP global que pretende criar um hype em torno da marca, demonstrando que também ela é cool, a empresa de Bill Gates - será sempre dele - decorou a vila de "Sietes" (sete) nas Astúrias, Espanha, com as cores do Windows, ofereceu 777 cópias grátis aos residentes de uma vila holandesa de Zevenhuizen (Sete casas - agora já dá jeito a tradução, hein?) e, espantem-se os mais cépticos, criou, em parceria com o Burger King no Japão, um Whopper com 7 hambúrgueres (o equivalente a um vitelo de 7 meses), por apenas 777 yen (é barato) durante sete dias (Tradução livre e idiota dos caracteres: Windows 7, o OS para obesos)!


A resposta da Apple não se fez esperar e colocou a circular MAIS UM vídeo "I'm a PC, I'm a Mac".

Palavras para quê?



Nota: Aparentemente a campanha da MS deve estar a resultar porque as vendas estão aí. Onde? Não sei, mas estão aí!

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

iDroid x iUps = iPhone

An-droid? iPhone soma e segue



Este post é digno de Buzzófias




LPM, agência do regime e agência de comunicação de Pacheco Pereira, adere ao Lip Dub!


Aqui entre nós, os Buzzófias pa-ga-vam para ver o vídeo do lpm (vénia) a cantar o que quer que fosse.


Finding Mantorras


Quem for hoje ao Estádio da Luz, ver o Benfica-Everton, vai assistir a um espectáculo ainda mais bizarro do que o habitual.

Numa acção, que até poderia ser considerada como guerrilha, alguns adeptos do Everton vão vestir camisolas com Madeleine McCann e a frase "ainda estamos à procura", em português e inglês. Como má guerrilha - claro que nunca concebida desta forma, mas sim como parte da estratégia do spin doctor contratado pelos McCann -, a ideia foi comunicada e, em boa hora, surgiram limitações. Acabou-se o efeito surpresa.

O Buzzofias sabe, ou se não sabe inventa, que os adeptos encarnados vão aderir à campanha mas envergando fotografias de Pedro Mantorras, há muito desaparecido do futebol benfiquista.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

O Google Wave não existe!

Diz-se que o Google Wave irá revolucionar a forma como até aqui enviamos e gerimos e-mail. Diz-se que está em fase de testes e que fará coisas como estas:


Diz-se, porque não acredito. E não acredito porque ainda não vi nada. Supostamente tudo faz parte de uma estratégia selectiva, para nos fazer "babar", implorar, semelhante à adoptada no lançamento do Gmail. Duvido!

Alguém conhece alguém que já tenha usado o Google Wave? Alguém conhece alguém que conheça alguém que já o tenha usado? Claro que não! Porquê? Porque não existe!

PS: Se alguém respondeu afirmativamente a alguma das perguntas anteriores eu estou a brincar e pode fazer o favor de nos enviar um convite para buzzofias@gmail.com, para que possamos repor a verdade. Apenas para isso, porque eu não me estou a sentir nada excluído. Prometo ser selectivo nos meus convites futuros.

LAIKA

LAIKA from Michael Flückiger on Vimeo.



depois da ida à lua, a Laika agora estreia-se no typeface. muito em voga estas parvoíces com interacção, não é?

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

The funny way

Havia pelo menos duas maneiras de fazer coisas: the easy way or the hard way.

Agora, graças à VW há também a the funny way, de que, pessoalmente, como se nota, julgo eu, pelo teor deste blog, sou fã!

Note-se que estes exemplos, por si só, não mudam efectivamente comportamentos. Vivem do efeito surpresa, o qual passando perde eficácia. Mas enquanto isso não acontece, são geniais!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

O melhor amigo do Homem

"Quem é que o leva até à porta do emprego? O carro, o melhor amigo do Homem!"

Estas e outras pérolas são transmitidas em vários anúncios de rádio, apelando aos proprietários de carros que "retribuam com os cuidados que ele merece" indo a uma oficina especializada.

Num momento onde se discutem temas como o aquecimento global, o impacto ambiental do excesso de automóveis nas cidades, a poluição nas cidades, etc, e em que todas as marcas, inclusive as que lucram com combustíveis e com as vendas de automóveis, parecem ter cada vez maior consciência ambiental, eis que surge uma empresa a dizer-nos, preto no branco, que o carro é o nosso melhor amigo e que por ele devem fazer tudo!

Claramente, esta é uma ideia de criativo que não foi devidamente filtrada e que reflecte que a consciência ambiental, muitas vezes, é apenas um ideal politicamente correcto ainda longe de estar intrínseco nas empresas.

Não Maitê, mas mói

Esta semana deu que falar um vídeo onde Maitê Proença, conhecida actriz brasileira, ofende os portugueses. Todos sem excepção (Miguel Sousa Tavares já está com um pé no Brasil por isso não conta), porque se há coisa que o português gosta é de se insurgir com coisas que, aparentemente, ofendem o seu orgulho nacional (inclusive o bacoco).

Não foi tanto o efeito viral do vídeo, que motivou imediatamente grupos de ódio e repudio no facebook, notícias e afins, sobretudo afins, o que me surpreendeu foi a data do mesmo: 2007! Isso mesmo, 2007! Um vídeo com dois anos chegou agora a Portugal, ao que parece de forma espontânea (há sempre a hipótese de ter sido posto a circular pela própria Maitê depois de ter conhecido MST), e ainda foi notícia.

Mas vejamos, ou vêjamos, como diria o candidato do PTP à Câmara de Lisboa, o que se passava no vídeo.

O que inflamou mesmo os ânimos foi a ver o desrespeito da actriz a cuspir numa fonte nos Jerónimos, o que é grave porque, como é sabido, os portugueses são dos povos mais asseados do Mundo e nunca, em situação alguma, cospem para o chão. Talvez um escarro ou outro, mas apenas em situações limites e com justificação médica.

Outros dos factos relatados no vídeo é a eleição de Salazar como o português mais importante de sempre num concurso promovido pela estação pública de TV, o que até nem deu que falar por cá na altura e não levantou quaisquer ondas; o gozo com um número colocado ao contrário; e a falta de conhecimentos técnicos em informática de dois funcionários de um hotel de cinco estrelas, o que por si só deita por terra o esforço socialista de anos na aposta num Portugal mais tecnológico.

Na minha opinião este foi um caso sem grande sentido, desnecessariamente exacerbado. Foi, porque já era passado até mesmo antes de o ser, um exemplo da dimensão que certos acontecimentos ganham actualmente através e por causa da Internet, e de que a Internet é um repositório de informação sempre pronta a ser novamente descoberta e com efeitos sempre imprevisíveis.

Quem sabe se amanhã não somos nós o alvo?