segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Persistência, apelo e sedução

Um dos partidos vencedores das Legislativas 2009 foi o PCTP-MRPP, do histórico Garcia Pereira, entre outros, advogado de Paulo Portas (a política tem destas ironias).

Vencedor porque foi o maior dos mais pequenos, porque ultrapassou a barreira dos 50 mil votos e porque vai passar a receber subvenção estatal - uma espécie de rendimento mínimo dos partidos. Vencedor, porque dobrou os votos do MEP, partido elevado à condição de parlamentável pela comunicação social e que, nestas eleições, provou a máxima de que "uma cara conhecida (Laurinda Alves) não faz um partido" - assinalável humildade de Rui Marques, ontem, por ter sido o único líder a não falar depois de conhecidos os resultados.

Voltando ao PCTP-MRPP, como comprova esta foto, tirada hoje perto da estação de Metro do Campo Grande, em Lisboa, o segredo do sucesso é bem claro. Persistência, e sedução e batom. Rosa, a cor de um dos outros vencedores da noite.

PS - (post scriptum, e não Partido Socialista) Alguém reparou na campanha a la Obama, que o PS anunciou há uns tempos? E afinal o que é isso? Alguém faz ideia? Foi mais visível e óbvia a inspiração Sarah Palin na campanha do PSD, como, aliás, demonstram os resultados de ontem.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Mudar Portugal... de sítio?


há uns tempos abordámos o assunto, hoje o 31 da Armada, recupera o tema.

E, até o dicionário da Priberam confirma!

Falta, afinal, saber para onde quer o MMS mandar a velha política portuguesa.


quinta-feira, 24 de setembro de 2009

I want to ride my tricycle...tricycle...


Convite para participar no Worten Go! Race, dia 30 na Worten do Colombo.

Vídeo interessante a apelar ao viral.

via email.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Sobre Consultores

Recentemente, e por duas vezes em contextos distintos, dei comigo a pensar nos títulos que a profissão traz. Somos accounts, assessores, consultores, relações públicas, executivos de contas. Escolham a agência e ela responderá com uma hierarquia feita à medida de egos e ideais fundadores. Na prática, vai dar tudo ao mesmo. Nem entro nas escadinhas do júnior, sénior, coordenador e director. Já são tricas e não gosto de me meter nelas. Faz-me espécie, confesso, que se possa ser sénior do que quer que seja com dois anos de experiência. Mas isso são outras águas.


Esta confusão na denominação do profissional reflecte, a meu ver, uma esquizofrenia que em tudo empobrece a classe e nada faz pela valorização do nosso trabalho junto do cliente. Sejamos francos, e aqui entre nós que ninguém nos ouve, um cliente que pague, vá, mil e quinhentos euros a uma agência para que esta lhe faça os press releases pedidos, comunique os eventos que ele, cliente, idealiza e concretiza, nos timings que o cliente sugere, é um cliente roubado.


Explico: fazer um press release é coisa que qualquer recém-licenciado sabe fazer - ou devia (um dia faço um post sobre a preparação dos jovens que chegam ao mercado de trabalho). Obedecer a um director de marketing ou de comunicação que já delineou estratégia é um trabalho que não tem porque custar muito. Redigir press releases, construir bases de dados, fazer convites e follow ups, não é coisa que peça profissionais de luxo, pagos a peso de ouro.

Ser capaz de olhar para um plano de marketing e criar uma estratégia eficaz que seja uma mais valia na obtenção de resultados, talvez requeira capacidades intelectuais, conhecimento do mercado e da marca, dos consumidores, dos jornalistas, dos meios. E este know how deve ser pago a peso de ouro. Porque este conhecimento é fundamental para construção da reputação e reconhecimento de uma marca.

Um consultor, um bom consultor, deve dominar o básico, sim, ser capaz de preparar um bom press, saber onde param os jornalistas - ainda para mais num tempo em que as redacções estão em constante mudança. Deve ser persuasivo e um bom representante das marcas. Mas o consultor deve ainda conhecer o mercado e a concorrência das suas marcas, o mercado editorial, os consumidores, as campanhas, o que se faz por cá e o que se faz lá fora. Um consultor não se limita a "fazer" notícias - um consultor traça um caminho que contribui para os (bons) resultados da marca. Um consultor planeia e observa, reagindo aos movimentos de jornalistas, consumidores e concorrência. Observa as tropas da colina.

Mesmo que depois, e por quinhentos euros, sejam outros a manejar a espada.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Diesel - only the brave



Tom e Tim Muller fizeram recentemente esta campanha para a nova fragrância da Diesel - Only The Brave. Munto 3D a flutuar no espaço, munta estranheza e mistério a pairar. A voz do astronauta Daved Scott ainda adiciona mais mística e envolvência.

...That's one small step for man, one giant leap for mankind...

é incrível como apenas uma sugestão sonora nos leva para tão longe.. e, neste caso, dá tanta força ao grafismo.

... man must explore.

O estado do jornalismo e a sofisticação das fontes.




"O jornalismo cada vez pensa menos", diz Vasco Ribeiro. Eu concordo. Durante a entrevista, ele culpa a "pressão sistemática destes profissionais da comunicação" por esse facto*. Eu discordo. Na medida em que, creio, a culpa do enfraquecimento do jornalismo advém da falência do sistema de financiamento da imprensa: menos receitas publicitárias, menores vendas em banca, aumento da concorrência via citizen journalism e consequente redução da importância do jornalista enquanto curador da informação, agregação livre dos conteúdos jornalísticos online por parte dos motores de busca, perda de relevância da distribuição de info. diária VS informação em real-time, o cada vez menor peso da informação "generalista" face às necessidades cada vez mais específicas dos consumidores de informação... etc.

Meaning: os jornais (e meios generalistas de informação, de uma forma geral...) precisam de encontrar um novo modelo para subsistirem, uma vez que o preço da informação é cada vez menor (não confundir com o preço da opinião). Só encontrando um modelo de negócio diferente ( e nem o Rupert Murdoch parece saber qual é...), que acompanhe a evolução da peça noticiosa é que esta se tornará novamente rentável, económica e socialmente. E, naturalmente, essas instituições noticiosas tornar-se-ão mais resistentes a pressões, porque passarão a poder colaborar novamente com bons profissionais e garantir alguma estabilidade na sua produção de conteúdos.

Naturalmente que os profissionais das agências de comunicação e assessores e tal e coisa veiculam a informação que entendem ser a que mais beneficia os seus interesses, tentando divergir a atenção de temáticas que prejudicam as suas instituições. Não é natural que, numa instituição, se queira controlar qual é a posição e a mensagem de uma empresa, sabendo que essa mensagem representa uma estratégia de negócio, reputação, marketing, política que irá ter um impacto nos objectivos da instituição?

Obviamente que, se a informação distribuída for falsa, isso deverá ser alvo de penalização, já que impacta o valor percebido de uma empresa/instituição/pessoa e está a adulterar a realidade. Tal como a contabilidade criativa tem os seus limites, também a "assessoria criativa" deveria ter os seus - falta talvez um código de conduta "à séria" para regular a profissão, ou um certificado ISO-qualquer-coisa para certificar as agências de comunicação. Mas estandardizar, aconselhar e dirigir a informação é uma arte muito antiga e surpreende-me o espanto que causa a existência de lobbystas nessa área. Os bons políticos são, eles próprios, spinners. Os bons CEO's são directores de comunicação (steve jobs, anyone??). Tal como os publicitários, gestores de marca, assistentes de venda, opinion makers, jornalistas, etc controlam ou podem controlar a informação das suas marcas, empresas, projectos, intenções.

Interessa a todos um jornalismo forte. E interessa uma verdadeira discussão sobre este tema, de forma a fortalecer a transparência de processos. Interessa assim ao sector da comunicação - composto por meios e por agências e por opinion makers e bloggers e jornalistas e cidadãos e tudo e tudo e tudo - deixar de lado o umbigismo e a atribuição de culpas de parte a parte, e começar a discutir como raio é que se cria um sistema sustentável para que o processo de informar se torne novamente rentável e digno e, consequentemente, que torne ainda mais digno e diferenciador o trabalho dos lobbystas, que terão também eles de sofisticar as suas ferramentas de comunicação.


Se quiserem contar com a ajuda do Buzzófias para o efeito, ao oferecer esta plataforma, o seu conteúdo e as inacreditáveis carolas dos seus colaboradores para contribuir para a melhoria do estado da arte, let us know.



* Não li ainda o livro de Vasco Ribeiro, mas pretendo fazê-lo em breve, porque a temática me parece importante. Ainda mais despertou o meu interesse com a entrevista que deu, que conduziu com um tom de voz natural, honesto, passando mensagens claras e aliciantes... Terá preparado previamente aquele momento de comunicação? How sophisticated... ;)

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Pensamentos asfixiantes.

A asfixia democrática tem muitos culpados. As agências de comunicação. Os impreparados jornalistas. Os malvados assessores. O governo. José Sócrates. Ferreira Leite. Manuela Moura Guedes e José Eduardo Moniz. Alberto João Jardim. O Público. Quem opina. Quem deixa de opinar.

Enfim, a outra parte.

E " assim se cria um plano sonhado a que corresponde um plano prático: o queixume delirante constitui também um modo de justificar todo o pragmatismo da sobrevivência, o não-cumprimento da lei, a irresponsabilidade,o "desenrasque", a esperteza na acção."

- Em busca da identidade, José Gil.

domingo, 20 de setembro de 2009

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Tempos de Antena - PTP

O programa dos Gato Fedorento Esmiúçam os Sufrágios deu-me a conhecer este interessante tempo de antena.

Como consultor / assessor muito me aprazeria dizer.
Mas não digo.
Há imagens que valem mais do que mil palavras.


Ficaram interessados? Procurem aqui.


O que reforça a máxima de que "falem bem ou mal, o importante é que falem!" E nós a pensar que eles eram tenrinhos.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

É já amanhã.

Parabéns ao Arquitecto Saraiva e ao seu semanário Sol, que cumpre amanhã três anos.

Buzzófias (com dois zz) contrata LPM... e rescinde logo depois

O "Buzzófias" (com dois zz), como sabem uma das mais lidas publicações online sobre marketing, publicidade, comunicação e media, sempre escrito "com uma boa dose de sarcasmo e humor", acaba de contratar os serviços de consultoria de comunicação da LPM.

Na tentativa de aumentar a base de fãs do blogue, a empresa de Luís Paixão Martins sugeriu uma estratégia que aposta no aumento de notoriedade nos meios do trade. O primeiro momento de comunicação, que pretende capitalizar acerca da especulação das verdadeiras identidades dos escritores do "Buzzófias", foi iniciado com a publicação de um pequeno teaser, publicado no jornal independente "Briefing", dado como próximo da LPM.

Na tentativa de adicionar reputação ao blogue e segundo fontes desta publicação, Luís Paixão Martins propôs mesmo tornar-se um dos escritores permanentes do "Buzzófias". A proposta foi aparentemente rejeitada, uma vez que os autores do blogue temiam ver os seus tremendos egos engolidos por esse que também assina todos os seus projectos - desde posts a empresas - com as iniciais mais reconhecidas do mercado da comunicação: LPM.

No entanto, face aos maus resultados desta primeira iniciativa, sobretudo pela quantidade de erros e teor da notícia, os serviços desta consultora já foram dispensados estando em vista a contratação de nova agência. A avaliar pelo que é escrito no Briefing, a YoungNetwork poderá ser uma das empresas contempladas.

Hoje foi notícia o Buzófias, não o Buzzófias


Nem tudo o que é "viral"... é ouro!

O vídeo atingiu mais de um milhão de visitas no Youtube. Uma mãe Dinamarquesa, apresenta o se filho August, e procura via internet o pai da criança. Conta-nos a história de como o conheceu num bar e acabou em casa com ele, para não o encontrar na sua cama no dia seguinte... Não o culpa! Claro... que na Dinamarca somos modernos ... mas gostava de o voltar a ver...

É mentira.

É um viral.

A ideia é atrair turismo para a Dinamarca...

E é de um extremo mau gosto.




Mas qual é o conceito? Qual o "gancho"?

"Hey! Venham à Dinamarca! As mulheres aqui são tão belas e fáceis, que mesmo que tenham um filho vosso... não vos vão culpar! Mas apenas querem que voltem..."

O jornal Ekstra Bladet "caiu-lhes em cima" que nem gente grande. Os responsáveis parecem ser da plataforma governamental para o turismo da Dinamarca: VisitDenmark. E já retiraram qualquer referencia ao vídeo do Youtube.

A actriz Ditte Arnth Jorgensen já admitiu que o vídeo é falso, e o bebé, claro está, não é dela...

Alguns dos responsáveis criativos do vídeo, têm-se desculpado, dizendo que apesar de encriptada, a palavra "AD" (referindo-se para o nosso "PUB" em Portugal), aparece no vídeo num quadro um pouco a cima do ombro esquerdo da mãe (o nosso lado direito do écran)...

Haaaa... então estão desculpados!!



quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Conversas de Bastidores

...Vale o que vale... Uma pequena curiosidade talvez. Com a descontracção pós Agosto ainda a dominar os ambientes de bastidores da "cena" política...

Agora, tenho de pedir especial atenção à conversa iniciada aos 00:56:


José Socrates: "Ah. Você é fã?! Mas eu não o vi naquela... Naquela vígila: Queremos Manuela de volta!"


Referindo-se, claramente, aos acontecimentos recentes após a saída de Manuela Moura Guedes da TVI.

Para meio entendedor....




High Five Escalator



A Improv Everywhere que ostenta a assinatura "Causing a Scene", anda a fazer um novo tipo de guerrilha. O Today show, chama-lhe pranks. Imaginem uma marca associada a este tipo de brincadeira.

High Five Escalator

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Política séria



No primeiro cartaz falta apenas o "bling, bling", mas passa a ideia.

Dia 14 estão de volta ao activo. A contagem decrescente pode ser acompanhada aqui.

Eficaz ou abusivo?

Nos últimos dias esta campanha tem gerado tanta polémica e discussão que eu pergunto: É sobre o quê mesmo?

Na maioria das vezes, demasiada discussão cria ruído e abafa a questão central e o propósito da acção, colocando em causa a sua eficácia. Acho que foi este o caso.

Difícil, mas também o segredo, é saber traçar o limite entre o eficaz e o abusivo.

Como o vídeo foi, entretanto, retirado do YouTube para poder ser visto apenas no site da campanha, aqui ficam outras imagens da campanha.



Perante imagens tão fortes e explicitas, quem é que se concentra na mensagem?

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Marketing viral

A capacidade de gerar discussão, sobretudo pela polémica, é um enorme atractivo para os media e a base de uma campanha que se quer viral.

Polémicas à parte #1 - HIV e Hitler

O que têm em comum HIV e Hitler? Segundo este anúncio são ambos assassinos de massas.



Adenda: este vídeo foi entretanto retirado, podendo ser visto apenas no site da campanha.

Polémicas à parte #2 - Aquecimento Global

Aquilo que muitos pensam, mas que poucos teriam a ousadia de colocar no papel (quanto mais num anúncio, aparentemente não autorizado pela WWF).


Polémicas à parte #3 - Prevenção rodoviária UK

Campanha de sensibilização para a não utilização de telemóvel enquanto se conduz, dirigida a jovens no Reino Unido e aplicável a muitos outros países. Campanha com recursos muito pouco reduzidos e impacto mundial. Ler notícia no i e ver outras campanhas nacionais.


O estranho caso de Manuela Moura Guedes


Nota prévia: Estranho neste caso deve ter duplo sentido por se tratar de Manuela Moura Guedes (MMG).

Na semana passada fomos "surpreendidos" pela suspensão do Jornal de Sexta da TVI, com a consequente auto-demissão da Direcção de Informação do canal. A decisão, justificada pela administração do accionista espanhol Prisa, detentor da Media Capital, detentor da TVI; como sendo parte de uma reestruturação e uniformização dos telejornais da estação, foi abafada e relegada para segundo plano, sobretudo pelo aproveitamento político que os vários partidos retiraram disso e por jornalistas sedentos de atacar um Primeiro-ministro com uma imagem pública debilitada e que encontraram aqui a "prova" que faltava de que este Governo exercia pressões sobre a comunicação social.

Ora vejamos. Segundo a imprensa e a oposição, a justificação deste afastamento resulta de:

a) O Governo é liderado por pessoas completamente estúpidas e, perante todas as suspeitas que sobre ele pairavam e a relação do PM com o Jornal de Sexta, pressionou a administração de uma empresa privada a tomar esta decisão;

b) O Governo tem um tal mestre em spinning que terá pensado que a opinião pública iria pensar que a opção a) era tão improvável que esta nunca lhe poderia ser atribuída, ganhando com isso a suspensão de um noticiário que não lhe era favorável;

c) O Governo não teve nada a ver com esta suspensão e de facto foi uma decisão livre, estudada e planeada da administração de uma empresa privada.

Não sei quanto a vocês, mas a hipótese que me parece mais viável é a c).

Permitam-me "dar asas à minha imaginação" e teorizar sobre o problema.

O Jornal de Sexta da TVI mascarava de "investigação séria e isenta" autênticas caçadas ao homem (José Sócrates, habitualmente). MMG opinava a cada notícia, ultrapassando os limites da informação isenta. As notícias levantavam suspeitas, nem sempre fundamentadas, continham "factos" duvidosos e de comprovação questionável.

O Jornal de Sexta tinha elevadas audiências, mas como todos sabemos, quantidade e qualidade não representam exactamente a mesma coisa. A desculpa de que o Jornal tinha audiência e que isso justificava a sua manutenção, parece-me escassa... A Dica da Semana chega a 2 milhões de pessoas e nem por isso vemos todos os anunciantes a correr para lá.

O Jornal Nacional tem uma equipa própria, que "investiga" semanalmente para divulgar na sexta. O jornalismo de investigação é caro, e o de "investigação" também deve ser. Como tal, não me parece descabida a justificação da Prisa.

A linha editorial do Jornal de Sexta não agrada a muitos cidadãos - obviamente que excluo qualquer visado pelas reportagens. Com a saída de José Eduardo Moniz, essa linha ficou mais exposta e susceptível de ser cortada, o que aconteceu agora.

Se a suspensão do Jornal de Sexta fosse de facto uma tentativa de silenciar MMG, ela sai gorada porque, embora se tenha demitido das suas funções de direcção, MMG continua no canal e obrigada a divulgar as suas "investigações", como aliás a estação fez na última sexta-feira, com mais uma grande "pareceque-provavelmenteserá-cacha".

Questiono, de facto, o timing da decisão da Prisa, a três semanas de eleições legislativas e com previsível impacto da decisão dos portugueses. Questiono o facto de ter sido na véspera da estreia, de forma, aparentemente, abrupta. Não questiono mais, para não pressionar.
Já muita coisa foi escrita sobre o tema ao longo dos últimos meses, na minha opinião linhas a mais, e sobretudo elevando MMG à condição de heroína nacional, de exemplar do jornalismo isento e alheio a pressões. Para quando o Pulitzer?

Poucos parecem lembrar-se de que MMG foi deputada na Assembleia da República, pelo CDS, e, até opinião contrária, as suas convicções políticas têm, provavelmente, influência na sua forma de abordar os temas. ATENÇÃO! Obviamente que todos os jornalistas têm opinião política, ou outras quaisquer, mas tenho dúvidas se é possível participar activamente na vida política e depois escrever com a isenção e distanciamento necessário. Volto a reforçar a questão já aqui abordada sobre a necessidade de maior transparência das linhas editoriais dos órgãos de comunicação social portugueses, à semelhança do que acontece, por exemplo, em Espanha. Lá, esta decisão seria entendida na óptica do partido e não daria azo a tanta suspeitas.

Por último, não sou da geração dos filhos de Abril; sou da geração dos seus netos, a quem muita coisa foi permitida à sombra de uma liberdade (bem) conquistada. Talvez por isso considero que apelidar este "caso" de "censura" ou de "atropelo à liberdade de imprensa e de expressão", deveria insultar quem lutou pelo 25 de Abril.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

geek freak - PANTONECANS®



latas para juventude que gosta de grafitar com todo o rigor.
ideia aqui

8-bit trip freak



ah! maravilhosos Spectrums 48K!

maravilhosa também este stop motion. invejo muito estas paciências de Jó (vulgo paciência de chinês). geeks pah

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Clay Shirky, o amor e a net.

It's an oldie... But always great to watch.


quarta-feira, 2 de setembro de 2009

“Per fare un albero”



Criar uma árvore. é assim que se chama esta guerrilha que a fiat, a cidade de milão e o artista-designer (muito boa designação, hein?) Fabio Novembre desenvolveram.

posso dissertar sobre as emissões de carbono, a nomenclatura artista-designer, a fibra de vidro ou até sobre milão, mas digo apenas que o fiat 500 é fixolas.

teremos o escrever um livro e fazer um filho de seguida?

terça-feira, 1 de setembro de 2009

the million dolar question is...


Bom, se não servir para mais nada, serve para sabermos o que o pai do Justin diz.

Verdadeiras pérolas de sabedoria, transcritas aqui.

Think global, act local

Nas últimas semanas foram notícia dois desenhos animados de que gosto bastante - não, não me refiro à compra da Marvel pela Disney, pouco relevante em termos de originalidade na comunicação. Falo de A Turma da Mónica e de Os Simpsons.

São dois fenómenos, um mais localizado do que o outro, que foram utilizados para duas acções de comunicação com óptimos resultados.

Começando pelo fenómeno global: Os Simpsons.

Para comunicar a estreia da série em Angola, e entrada no continente africano, marcada para o canal Bué, foi criada e difundida uma adaptação da conhecida cena do genérico desta série, a com maior longevidade de sempre da história da animação e fenómeno mundial, à realidade angolana. Além de menos amarelados, Homer, Marge, Maggie, Bart e Lisa, surgem com elementos marcadamente angolanos, o que motivou notícias em todo o Mundo (interessante no título da notícia do Daily Mail a expressão bem angola "Aye carumba"!) Porquê? Poucos ousaram mexer, oficialmente, nesta típica família americana, ainda para mais tornando-os afro-americans, o que, por si só, é gerador de buzz.

Basta procurar no YouTube para encontrar outros fenómenos semelhante e, quem sabe, inspiradores.


Por outro lado, no Brasil, país fortemente afectado pela gripe A (ou influenza, como por lá também se diz), foi utilizada A Turma da Mónica para comunicar alguns conselhos básicos para prevenir a transmissão de vírus. Através de um conjunto de curtos vídeos colocados na Internet, básicos e dirigidos a um público jovem, os conselhos passaram, gerando milhares de visualizações na Internet. Os vídeos foram colocados ao dispor de escolas e outros organismos, mas, na minha opinião, deveriam ser "institucionalizados"e transmitidos na televisão de forma a chegar a todo o país - e nós sabemos a força da TV no Brasil. Seria (ou será), certamente, uma arma bem mais eficaz do que qualquer vídeo ou anúncio institucional do Governo de Lula no combate ao vírus.



Por cá, lembro-me de um fenómeno semelhante quando transmitiram "sketches institucionais", nos anos 90, em que Herman José caricaturava pequenos gestos tão portugueses como passar à frente em filas ou enfiar o dedo na carne, na fruta ou no pão, em supermercados, como medidor de frescura, etc.; para ensinar, através do humor, algumas regras de cidadania a um povo ainda em aprendizagem. Na altura foi eficaz, mas quem sabe se não é o momento de repetir a dose?