sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Nem a NBA escapa à crise


A economia Norte-Americana está de rastos. O plano de recuperação lançado por Obama começa a dar os primeiros passos, mas entretanto a crise já afectou muitas áreas. O desporto, uma das mais lucrativas indústrias dos E.U.A. (factura várias vezes mais que a indústria cinematográfica, por exemplo), começa também a sentir o apertar do cinto.

A NBA pediu um empréstimo para ajudar os clubes que sofreram perdas significativas de alguns milhões de euros. Porém, o Comissário David Stern vê as coisas pela positiva pois num momento em que os bancos não emprestam dinheiro nos Estados Unidos, a NBA conseguiu ver o crédito solicitado aprovado.

A notoriedade e a confiança da NBA ainda merecem crédito!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

V de Visão


Sou só eu ou a imagem criada para o "Fórum Portugal de Verdade" do PSD vai trazer problemas a Manuela Ferreira Leite, mais cedo ou mais tarde.

Quem, no seu perfeito juízo, é que desenha uma imagem para utilizar atrás da líder do partido, com dois dedos em "V", mais ou menos, na zona da cabeça? Se a ideia era ridicularizar MFL, parabéns! Coisa de criativos...

Felizmente, segundo as notícias, já foi contratada uma equipa de consultores de comunicação e imagem que já deve estar entretida com estes "detalhes" - o "Piquenas" já lá vai.

TVI 24 #2

... e eis que a primeira notícia é sobre péssimismo.

Esperança, de facto. Esperança...

TVI 24

Começa hoje às 21 horas a emitir o "canal de notícias" da estação de Queluz.

A concorrência, normalmente, aumenta a qualidade da oferta e por isso esta é uma boa notícia. Além disso, no meio de tantos fechos e despedimentos, o novo canal dá-nos razões para ter esperança.

A ver vamos se se confirmam as expectativas e se não estamos cá daqui a uns tempos para referir mais um projecto mal fundamentado.


iPandora Box


O iPhone é uma verdadeira caixa de Pandora dos tempos modernos. Cada vez que o ligamos, nunca sabemos o que vai sair dali. No meu caso, é responsável, por exemplo, por estar sempre contactável via telefone, SMS (MMS ainda não), Twitter, Facebook, MSN, GTalk, etc, etc, etc...

Mas também tem coisas boas. 

Mais do que uma plataforma móvel, é um suporte totalmente revolucionário que permite ter nas mãos centenas de aplicações - há cerca de 15000 disponíveis, algumas perfeitamente inúteis - mas todas elas passíveis de branding. E o mais fascinante, é que são os utilizadores a pedir informação e conteúdos sobre as marcas e por isso nada invasivo. Graças a Ele, um dos problemas do mobile marketing está resolvido!

Em Portugal já existem alguns exemplos de "visionários" como o Sapo ou o Público, entre outros, que rapidamente criaram as suas próprias aplicações. Mas mesmo assim, ainda existe muito caminho a desbravar.

Afinal, quantos marketeers nacionais podem continuar a dar-se ao luxo de ignorar um mercado de cerca de 17 milhões de utilizadores em todo o Mundo (em Portugal serão certamente uns milhares)?

Do's e Don't's aqui.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Name Droppers

Divagando sobre a sua suposta intelectualidade, Pedro Passos Coelho, em entrevista à Pública do passado fim-de-semana, deixa cair em jeito familiar como quem fala de amigos de adolescência, uma série de nomes da intelectualidade mainstream dos séculos XIX e XX. O problema é que, embora tendo acertado nos nomes, falhou-lhe o título de uma obra de Sartre. Para quem queria passar uma imagem de familiaridade, saíu-lhe o tiro ao lado. É como dizer que se é íntimo de fulano e que se é visita da casa da Lapa e na verdade fulano vive no Estoril.

A pseudo-intelectualidade e o name dropping, como Pacheco Pereira tão bem aponta são características de português - os nomes impressionam os pequeninos e o conteúdo nunca impressionou as massas.

A assessoria de um homem que tem ambições de chegar a Primeiro-Ministro passa também por limar estas arestas. Por abafar este instinto natural para o pseudo-conhecimento e dissimular as lacunas culturais e educativas de alguém que almeja sentar-se em jantares de Estado. Há coisas que só o berço dá e a morte tira, já diz a sabedoria da arraia miúda. Mas o que o berço não deu pode um bom assessor tentar disfarçar.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

And the winner is...


Ontem fui surpreendido pela "
notícia" de que a Geórgia ia usar o Festival da Eurovisão (sim, ainda perdura) para "atacar" a Rússia. A canção em causa chama-se “We don’t wanna put in” (lê-se Putin), é interpretada pelos muito famosos Stephen & 3G (segundo fonte familiar dos próprios) e pode vir a ser um verdadeiro cavalo de Tróia pindérico e de gosto duvidoso no campo do inimigo - a final do "evento" realiza-se em Moscovo.

O que me surpreendeu não foi a notícia, mas o critério jornalístico porque de facto isto não é notícia. 

Há muito que o próprio festival da Eurovisão é, não uma arma, mas um atentado, repleto de bombas de 3 minutos (em média), que duram durante horas. Assistir ao espectáculo deve assemelhar-se (com as devidas distâncias) a um frenético bombardeamento sobre Bagdade ou Palestina. Aliás, o que é que Portugal faz lá há mais de 20 anos se não humilhar-nos, atentar contra as nossas tradições, bom gosto e capacidade auditiva?

Srs. jornalistas, mais critério por favor!

Brincadeiras à parte, esta é uma verdadeira e muito criativa acção de marketing de guerrilha, por parte da Georgia. Os objectivos principais estão cumpridos: gerar buzz, colocar o Mundo a falar do acontecimento, inclusive a própria Rússia, e chamar a atenção para o problema que afecta os dois países. Tudo isto com um custo verdadeiramente reduzido. 

Só é pena é que a música seja tão má...


PS: a foto inicial é de Eládio Climaco, para sempre o Sr. Festival da Canção (e Jogos sem Fronteiras)

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Errado

Existe uma memória colectiva que visa sobre o nosso conhecimento estético. Sobre a forma como as coisas devem parecer. Mesmo os "erros" ou a noção de "errado", foram amplamente usadas pela arte ao longo da história.

A forma como o "cubismo" operava não era mais que a aplicação estética de um erro de perspectiva que questionava a nossa própria noção e ponto de vista sobre as matérias; ou quando mestres como Grandmaster Flash ou Afrika Bambaataa repensaram o som estranho de um disco riscado e transformaram o barulho do scratch num novo instrumento.

2009. A forma de ver vídeos, mudou substancialmente nos últimos anos. Habituados a ver vídeos e conteúdos visuais na Internet, há muito que nos acostumámos aos seus "erros". Tornaram-se memória colectiva.

Eis agora um vídeo que faz uso de um conhecido erro de streaming de formato FLV. Os famosos "pixeis" e fantasmas de imagens sobrepostas, transformam o novo clip de Kanye West numa experiência surrealista.

Kanye West - "Welcome to Heartbreak"
Director: NABIL



KANYE WEST "Welcome To Heartbreak" Directed by Nabil from nabil elderkin on Vimeo.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Piu Piu


Segundo o site do Público, o twitter do deputado do PSD, Pedro Duarte, foi violado!
Sem apelo nem agravo, algum mal-intencionado e maroto hacker, certamente da extrema-esquerda e defensor dessa coisa estranha que é o casamento entre pessoas do mesmo sexo, terá penetrado no twitter do ex-líder da juventude social-democrata, terá escrito um tweet bem puxadinho e ordinareco contra uma das convidadas do Prós & Contras, saindo sem se despedir.

Dizem as más línguas que a desculpa apresentada por Pedro Duarte soa a esfarrapada e que quando o deputado se apercebeu da barbaridade que tinha dito e das reacções que isso provocou - sim porque a twittosfera também se indigna - depressa empurrou as culpas para as vulnerabilidades da plataforma. Ainda para mais, segundo o próprio "tinha uma password bastante simples". Talvez 1234, ou o nome do cão ou do gato... ingenuidade, Pedro!

Se de facto se confirmar a intromissão é muito grave e justificação suficiente para o deputado, que entretanto suspendeu a conta para averiguações, exigir explicações ao próprio Twitter. Até porque à mulher de César...

Independentemente de quem tem razão, na minha opinião, existem demasiadas pessoas a usar o twitter como uma espécie de mIRC moderno, um msg sem fronteiras onde, aparentemente se está a escrever para uns amigos, mas que no fundo, milhares de pessoas podem ler.

Por isso, atenção ao que escrevem hoje, porque há sempre alguém, mal-intencionado, que pode fazer disso uma arma amanhã.

A GAME WE CANNOT LOSE

Minesweeper.
Famoso computer game com vida desde os 80's tem por objectivo desactivar minas.

ONU aproveita o cenário. Traduz e alerta para a cruel realidade.

"Everyday 65 people fall victim of landmines (...)
We need your help to win".






www.mineaction.org

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Does Facebook own us?

"Facebook's terms of service (TOS) used to say that when you closed an account on their network, any rights they claimed to the original content you uploaded would expire. Not anymore:

"You hereby grant Facebook an irrevocable, perpetual, non-exclusive, transferable, fully paid, worldwide license (with the right to sublicense) to (a) use, copy, publish, stream, store, retain, publicly perform or display, transmit, scan, reformat, modify, edit, frame, translate, excerpt, adapt, create derivative works and distribute (through multiple tiers), any User Content you (i) Post on or in connection with the Facebook Service or the promotion thereof subject only to your privacy settings or (ii) enable a user to Post, including by offering a Share Link on your website and (b) to use your name, likeness and image for any purpose, including commercial or advertising, each of (a) and (b) on or in connection with the Facebook Service or the promotion thereof."
"


- Lê-se, no grupo "People Against the new Terms of Service (TOS)", criado recentemente no Facebook.

Os novos termos de uso do Facebook compreendem assim a apropriação, por parte da plataforma, de todo o conteúdo alocado ao perfil dos seus utilizadores, bem como o conteúdo por nós partilhado por links.

Significa isto que:

.1 se eu partilhar este post no Facebook, o conteúdo partilhado no mesmo passa a pertencer ao Facebook ( acho eu). No entanto, não compreendo como é que o Facebook toma para ele este conteúdo dado que o mesmo é publicado numa plataforma que não lhe pertence, o blogger. O mesmo vale para o twitter, websites pessoais, etc.

.2 Podem usar as minhas imagens (pessoais ou não) para efeitos publicitários.

.3 Que medida tão 1.0, para uma rede social que se quer 2.0 - limitar e controlar desta forma o conteúdo mata os ideais de partilha da rede. O facebook é tão relevante quanto as pessoas que dele fazem parte. E se as pessoas deixarem de partilhar o seu perfil, as suas ideias, parvoíces, conteúdo e amizade, a plataforma deixa de ter valor comercial. Duh.

.4 a solução é simples. Caso estes novos termos de serviço continuarem activos, não partilharei mais qualquer tipo de informação naquela plataforma. Inclusivamente retirarei de lá todas as minhas fotografias - que, de resto, posso partilhar via Flickr, plataforma que permite partilhar conteúdos associados a uma licença Creative commons...

.4 Creative commons... helloooo?!?!?!!!!! É o pilar da sociedade 2.0. Ao não a utilizar na sua plataforma, o Zuckerberg está a enviar uma mensagem altamente negativa acerca do facebook: O FACEBOOK NÃO É UMA REDE SOCIAL - isto porque as redes sociais são feitas de conteúdos partilhados e criados por e para os seus utilizadores, não para uma entidade (que nem sequer paga pelos conteúdos!).

.5 Vou mas é passar a falar com os meus amigos em vez de escrever nas suas walls...

.6 Fuck 2.0 - Let's go back to 0.2

Sinais

Curta sobre a forma como usamos "sinais" para comunicar.
Pela Publicis Mojo e Radicalmedia.

...Porque por vezes nos esquecemos do que realmente é "comunicação".



Nota: Depressa vão perceber que abrir o site da Publicis Mojo devia ser um exercício diário de auto-estima intelectual.

Os antípodas a dar cartas... a baralhar... e a ganharem o jogo.

Cooler than ice cold




Há uma certa tentação entre quem trabalha nos domínios da comunicação de querer passar uma imagem cool, trendy. O problema é que muitas vezes se cai no ridículo. Nem todos são cool. Debitar estrangeirismos do marketing não é ser cool. Muitas vezes é mesmo ser estúpido e não ser capaz de se explicar em português. Ou então uma tentativa ridícula de passar a imagem de que se "é da cena" e não da aldeia.

Não basta ver e copiar para se ser trendy. Há que perceber. E, às vezes, os clientes acabam por preferir um bimbo honesto por consultor, do que um pseudo-trendy cheio de bazófia.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Buzzófias contrata blogger a recibos verdes

Inspirado nas mais inovadoras práticas de contratação da sociedade empresarial portuguesa, o Buzzófias acaba de recrutar mais um membro para as suas fileiras, cujos serviços serão remunerados com recurso a recibos verdes.



Os rigorosos critérios apelavam aos indivíduos que possuissem o seguinte perfil:

- Indivíduo pró-activo, result-driven, que goste de trabalhar em equipa ou sem equipa, apaixonado pelo som da sua própria voz e pelas suas ideias geniais, únicas e revolucionárias nas áreas do marketing e comunicação.
- Ter sido citado recentemente na imprensa nacional generalista.
- Idade entre os 20-30 anos, com 10 a 15 anos anos de carreira na área.
- Licenciado, Mestrado, Doutorado, Versado e Vacinado.
- Carro, telemóvel, portátil e vida própria.
- Uma certa dose de beleza, temperada por um charme natural.
- Requintado gosto literário e musical.
- Factor preferencial: participação anterior na blogosfera, em blog dedicado às temáticas do branding, escrito em inglês com relativa perícia.

Oferecia-se:
- Integração num ambiente jovem e dinâmico
-Ambiente propicio à rápida evolução profissional
- Estágio não remunerado de 12 a 24 meses
- Horário flexível
- Possibilidade de integração na equipa após período de estágio (inclui subsídio de alimentação e deslocação, sujeito a pagamento por recibos verdes).




Após extenso processo, que incluiu diversas entrevistas (individuais e em grupo), powerpoints de se lhe tirar o chapéu e brainstormings esgotantes, o Buzzófias optou pela contratação deste que agora vos escreve, blogger extraordinaire e tipo fixe em geral.


Para a posteridade se registam as suas primeiras palavras, aquando da integração da equipa Buzzófias: "Ya, fixe".


Despidas de preconceitos


Um grupo de dez bloggers francesas despiram-se de preconceitos a convite da fotógrafa Sandrine Sauveur. Além da mentora do projecto participam Miss Blablabla, Andie, Ecilam, L, MaryLeslyne, Camille, Connassee, Gallïane e Sasa La Loute.

Porquê? Não sei, até porque, infelizmente, quem vê blogs não vê caras... e muito menos corpos!


A imagem do post não tem a ver com a campanha.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Redes sociais


O DN traz hoje um artigo interessante sobre redes sociais, à semelhança do que a RTP fez ante-ontem. 

Apenas interessante porque algumas das situações relatadas e dos intervenientes insistem em se repetir. Um dos exemplos da eficácia do twitter a nível internacional é a amaragem no Rio Hudson, em Portugal o hamburger da Alberta Marques Fernandes. 

Enfim, ainda temos um longo caminho a percorrer...

Efemérides

Peço desculpa pelo post anterior. 

Hoje também se assinala o Dia Europeu da Disfunção Eréctil.


Dia dos Namorados


Por ser Dia de São Valentim, a Abraço distribuiu postais, preservativos e mupis pela cidade. Para lembrar que a SIDA existe e que não é preciso gastar muito para dar uma neste dia. Prenda, entenda-se! 

Lá fora, a criatividade pode ser viral


Cultural...


ou musical.


Mas sobretudo, o melhor mesmo é não esquecer a data!


sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Absolut World



Não deixa de ser irónico que um anúncio onde surge um Mundo perfeito, no qual a moeda de troca é o afecto, esteja no centro de uma polémica relacionada com cifrões. 

Porquê? A crise financeira nos EUA levou as televisões a levantarem o auto-imposto embargo à publicidade a bebidas alcoólicas e este foi o primeiro anúncio a passar. 

Aparentemente, todos os valores têm um valor. É só uma questão de timing!

Mais exemplos de Absolut Adds aqui.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

NIKE no other


As imagens são da nova campanha Nike Pro Ultimate para o mercado ibérico. 

"Os Invencíveis" são oito desportistas de eleição (ok, uns mais do que outros) - Bruno Alves, Vanessa Fernandes, Rafael Nadal, Paul Gasol, Carles Puyol, Sergio Ramos, “Kun” Agüero e José Manuel Mata - apresentados como Super-heróis ao som de música épica. 

Não fosse eu uma pessoa ocupada, até me dava vontade de fazer algum desporto.

video

PS: Continua a ser interessante observar que, independentemente do que outros apregoam, a LPM continua  a ser a única agência a estar atenta aos blogs e a comunicar com eles. Esta campanha foi divulgada em primeira-mão na blogosfera, numa tentativa de gerar um efeito viral.

Pena que nós não vejamos todos os dias a caixa do correio...

JSD inspira-se no BE?

Um leitor mais atento do Buzzófias chamou-nos à atenção para a verdadeira originalidade destes cartazes. Assim sendo, o seu a seu dono.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Facebook


Que as novas ferramentas web oferecem novas oportunidades de comunicar, já não é novidade. Que os utilizadores do Facebook se inspirem num anúncio de televisão e se unam numa flashmob capaz de deixar à pinha uma estação de comboio inglesa, isso é outro nível. Pensar em RP sem pensar em Social Media é, claramente, coisa do século passado. Perceber quem tem capacidade para fazer e implementar este tipo de acções é o desafio para as empresas. As RP cinzentas, ditas de "influência", têm de acordar para os novos meios - vide campanha de Obama - para conseguirem chegar mais longe.

Tristes coincidências

Depois disto, esta capa, do Sol de Sábado, só pode ser uma infeliz coincidência...

"Blogworthy"


Numa recente campanha de imprensa, a Oscar Mayer convida - ou implora? - o utilizador/consumidor a blogar sobre um novo produto.

A prova de que os meios tradicionais estão preparados para referências à web social - ou mero uso de uma buzzword com tão pouca subtileza que chega a ser embaraçoso?

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Originalidade



Resta saber aqui quem é o génio e quem é o copião.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Lock up your daughters


Por várias vezes fizemos aqui e ali o elogio das redes sociais.

Mas infelizmente a partilha tem destas coisas. Além das boas intenções, as redes sociais estão repletas de tarados (pelo menos 90 mil a avaliar pelos dados do MySpace) à procura de informações preciosas que possam usar contra as presas. 

Ler notícia aqui.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Um passarinho disse-me... (ainda o Super Bowl)

O New York Times continua a produzir grandes peças interactivas. Desta feita, um mapa interactivo que mostra as palavras e expressões mais utilizadas nas conversações que se desenrolavam no Twitter durante o Super Bowl.


É possível ver todos os "tweets" ou filtrar por meia dúzia de critérios - um dos quais a referência a anúncios exibidos nos intervalos do jogo. Usando a linha cronológica no topo, é possível ver a evolução dos termos mais registados - no caso dos anúncios é curioso ver as referências a determinada marca aumentarem e analisar os outros temos mais usados na mesma altura (por exemplo, CareerBuilder.com, lol, funny, liked, cool).

Ainda há quem diga o contrário, mas o Twitter está de facto a chegar ao mainstream - mesmo em Portugal, onde a presença de figuras como Nuno Markl muito faz pela divulgação do serviço (mais, aliás, do que a Presidência da República, por exemplo).

Em breve, talvez uma conversa de café possa começar com um "ontem alguém tweetou..." em vez de "esta semana vi num documentário...".

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Touchdown

Por esta altura, todos os anos, são produzidos alguns dos anúncios mais inventivos e bem humorados nos Estados Unidos. O motivo: o campeonato de futebol americano Super Bowl.

Este ano, o preço de exibição de um anúncio de 30 segundos rondou os 3 milhões de dólares. Razão mais do que suficiente para apostar em algo memorável.

A Doritos colocou, pela segunda vez, nas mãos dos consumidores a tarefa de criar um anúncio para a marca. O concurso desenrolou-se online, sendo escolhidos cinco finalistas. O vencedor, revelado apenas no domingo do Super Bowl, foi "Free Doritos":



O anúncio foi também eleito como o melhor anúncio do Super Bowl 2009 pelo USA Today Super Bowl Ad Meter - um ranking criado por esse mesmo jornal. É a primeira vez que um anúncio fan-generated (ou user-generated, dependendo do ângulo com que se olha para estas coisas) é destacado na lista do USA Today.

Fora do ranking, mas também digno de destaque, é o anúncio da CareerBuilder.com (porque às vezes é preciso que nos lembrem quando - e porque - devemos mudar de emprego):



Informação em detalhe sobre todos (ou quase) os anúncios do Super Bowl deste ano nesta página no Mahalo.

Actualização: o YouTube leva a cabo uma votação para escolher o melhor anúncio do Super Bowl 2009. Todos os anúncios podem também ser vistos nesta página.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Alguém foi despedido.

O que não deve acontecer num noticiário.

Lição 1 :

Ticker...













Hoje. Não temos tempo para mais.